ERP no gerenciamento de projetos

Todo projeto, independente de ser ou não de ERP (Software de Gestão Empresarial) deve ser concebido com a premissa básica de que tenha início, meio e fim, que seja cumprido o prazo e o orçamento previsto e siga as boas práticas do Project Management Institute (PMI). Somado a isso, ainda existe a experiência de países maduros como o Japão e Estados Unidos, que pregam uma sequência lógica para atingir as expectativas e metas através dos indicadores estabelecidos. Tudo parece simples e tranquilo, mas vejamos algumas sugestões que fazem toda a diferença na gestão do seu projeto de ERP.

A cultura japonesa é reconhecidamente e admirada ao redor do mundo pela disciplina e a paciência em perseguir no detalhe uma trajetória de vitória e de sucesso, com resposta rápida e qualidade. São vários os exemplos de superação e recuperação desse povo, o mais recente é o de Fukushima. Dessa cultura a sugestão é: Obedeça ao sistema de planejamento e execução 80-20. O que significa isso?

deve-se passar 80% do tempo planejando, quanto maior for a capacidade de projetar e simular os potenciais problemas na execução, melhor você estará preparado para executar o restante dos 20%.

Isso passa também pela identificação do perfil da equipe de projeto. Ouvi certa vez de um gestor em um projeto – muito ajuda quem não atrapalha! Um dilema conflitante. Prova disso é que exatamente nesse projeto a pessoa em questão era chave na companhia, pois era estratégico na reestruturação da empresa. Como então excluí-la do projeto? Trazê-la para fazer parte do projeto foi até uma tarefa bastante simples, quando aplicado um pouco de psicologia, conhecimento dos desejos, medos e limitações. Para que tudo dê certo, é fundamental extrair o máximo das pessoas. É muito comum atropelar essa prática no projeto, por isso, a segunda sugestão é: avalie e motive sempre sua equipe.

Na dinâmica da gestão de projeto, a prática da disciplina e organização, gerenciamento de sua agenda de trabalho, tarefas e atividades da equipe e de assuntos que impactam na condução do projeto e exigem uma dedicação hercúlea é árdua, porém é necessário dedicar tempo para gerenciar as mudanças e a solução de conflitos. Essas são habilidades em que o Gestor de Projetos desenvolve constantemente por sua experiência e seguramente é um dos pilares de sustentação de sucesso do projeto.

Deveríamos estender um capitulo a parte quando tratamos de pessoas, pois quando se implementa um projeto de ERP, os pilares principais de sustentação, são: Pessoas – Processos – Sistema, perceba que todos estão ligados às decisões pessoais, portanto as pessoas são parte chave do sucesso do projeto. A sugestão aqui é: desenvolva um plano de comunicação vivo e fluente entre a equipe.

É possível gerenciar projetos com qualidade através da convergência do conjunto onde tudo tem que funcionar bem e na mesma direção, iniciando pelo entendimento das expectativas do cliente, fazendo com que as mesmas estejam claras. A quarta sugestão é: Que o combinado não é caro.

Agora, vamos abordar rapidamente as fases que considero mais importante de um projeto de ERP. Após a reunião de lançamento ou kick off meeting, como queiram, nessa fase inicial do projeto é muito importante ter definido onde queremos chegar.

Quando iniciado o projeto, é necessária uma fotografia. Essa fase permite analisar criteriosamente as regras de negócios do cliente, fase chamada de BPM – Business Project Management, que inclui a análise de negócio, denominado de (As Is), onde é levantado, compreendido e mapeado o fluxograma de processo, o que permite analisar o esforço sobre as mudanças do produto ou sugerir mudanças de processos de negócios. Em seguida, são analisados os desvios e lista das pendências, o que chamamos de GAP’s.

O produto deve ser planejado de forma que os GAP’s sejam mínimos. O resultado do (As Is) ajudará a definir as próximas etapas, como por exemplo, a de (To Be), “Como Fica”, ou seja, preparando o negócio com os pilares convergidos para sustentar a evolução e crescimento da companhia. Tudo isso parece simples e óbvio, mas é necessário que os recursos estejam totalmente alinhados: O cliente agindo como agente motivador das mudanças.

O produto deve utilizar ao máximo o nível de sua aderência para as boas práticas de sua indústria e mercado. O serviço profissional deve fornecer qualidade e segurança através da experiência, capacidade e comprometimento para entregar o que o produto se propõe para fazer de melhor. O mais importante dessa última sugestão é para que o mercado se atente junto ao fornecedor sobre as garantias necessárias para que o projeto seja concluído no prazo e no orçamento previsto. Somente quem possui recursos técnicos e metodológicos eficazes pode oferecer esse tipo de garantia.

Fonte: Davi Floriano

Davi Floriano é Diretor de Vendas & Marketing da Fotini, representante da Glovia Internacional, subsidiária da Fujitsu, na América Latina

www.jotec.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s